Pelo segundo ano consecutivo, a SOS – Salvem o Surf participou na mais importante conferência internacional sobre protecção de ondas: a “Global Waves Conference” (GWC).

Decorreu nos passados dias 6, 7 e 8 de Maio, em Rosarito, cidade mexicana que se situa a alguns quilómetros da baía de Todos os Santos, uma das seis Reservas Mundiais de Surf, a “Global Waves Conference 3”, uma iniciativa que reúne associações de todo o mundo que trabalham em prol da protecção das ondas do planeta.

Após a segunda edição da GWC, que decorreu em Biarritz, França e San Sebastian, Espanha, na qual as participações e debates entre as várias associações se centraram no valor das ondas e nas ameaças a áreas de surf, este ano a organização lançou o repto a todos os participantes que encontrassem a resposta para a pergunta “How best do we work together?”.

Com uma participação recorde de mais de 50 pessoas, representantes de 19 organizações diferentes, a GWC foi um verdadeiro sucesso. Além da partilha de experiências entre as várias associações, de casos de estudo como a Baja Mexicana, foram também debatidos programas inovadores e estratégias pro-activas de protecção de ondas, bem como novas ferramentas de actuação nesta área.

Representada pelo seu vice-presidente, Pedro Monteiro, a SOS – Salvem o Surf apresentou a realidade portuguesa e da associação. Ondas perdidas em Portugal, Evolução do Surf em Portugal, Política do Mar, Regulamentação do Surf foram alguns do tópicos abordados durante a palestra.

Todavia, o momento alto da conferência coincidiu com a assinatura de um “memorando” entre todas as associações. Um documento que revela o grau de compromisso, entusiasmo e responsabilização de todas as associações que se fizeram representar no GWC.

Ainda durante a GWC, decorreu uma reunião do Concelho Visionário das Reservas Mundiais de Surf, na qual também participou Pedro Bicudo, presidente da SOS, via skype. Nesta reunião foi estudada a consagração de novas Reservas Mundiais, bem como foi avaliado o desempenho das Reservas existentes.

Para Pedro Monteiro, vice-presidente da SOS, a participação da associação portuguesa neste tipo de iniciativas é fundamental para o crescimento da mesma. «Estar com os representantes de todas aquelas associações de defesa das ondas e do surf foi uma excelente experiência e uma grande aprendizagem. Cada zona do globo tem as suas particularidades e as suas maiores preocupações, têm também o surf em diferentes estados de desenvolvimento, de modo que dá para ao mesmo tempo contribuir para alguns dos casos e aprender para eventuais dificuldades que possamos vir a sofrer em Portugal. Defender ondas é muito mais que defender a vaga, é todo um meio envolvente e toda uma cultura e modo de estar e são as diversas contribuições que o surf pode dar. Nesta conferência falou-se muito do trabalho em rede e do valor económico do surf (Surfonomics), que de certa forma já está a ser apurado em Portugal».

Organizações representadas:

-          Áreas Marinas Protegidas (Costa Rica)

-          Bodhi Surf School (Costa Rica)

-          DGCOSTERA (Perú)

-          Federacion Canarias de Surf – Federacion Española de Surf (Espanhã)

-          Gobierno del Estado de Baja California (México)

-          LIVBLUE (EUA)

-          Pronatura (México)

-          SOS – Salvem o Surf (Portugal)

-          Save The Waves Coalition (EUA)

-          Surf-Ens (México)

-          Surfers Environmental Alliance (EUA)

-          Surfers Against Sewage (UK)

-          Surfrider Foundation Europe (França)

-          Surfrider Foundation US (EUA)

-          United Athletes of the Pacific Ocean (EUA/México)

-          UC Irvine (EUA)

-          Waveloch (EUA)

-          Waves for Development International (EUA, Suiça, Perú)

-          WildCoast/CostaSalvaje (EUA/México)