No dia 16 de Novembro, “Dia do Mar”, a SOS – Salvem o Surf pediu ao Secretário de Estado do Mar, Dr. Pinto de Abreu, que o surf seja considerado nos Estudos de Impacto Ambiental, de forma a evitar que mais ondas sejam danificadas, levando a perdas económicas de vários milhões de euros, e a debilidade da cultura oceânica de Portugal.

«Ano a ano o mar vai reconquistando o lugar que sempre deveria ter mantido no coração e cabeça dos Portugueses. O mar está dentro de nós, na nossa poesia, na nossa gastronomia, no ar que respiramos, na nossa personalidade. E o surf, essa obsessão que une a urbe ao mar, está cada vez mais presente na nossa realidade cultural e económica. Ainda assim, o surf continua a não ser considerado nos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) de obras costeiras privadas ou de intervenção pública», lê-se na carta aberta dirigida ao responsável do Governo pela secretaria de Estado do Mar.

A SOS reforça ainda a importância das várias entidades de surf nacionais serem ouvidas sempre que o surf esteja implicado em projectos costeiros, bem como os pequenos comerciantes e empresários, que no fundo são os responsáveis por cerca de 80% da economia da nossa costa. Foram também transmitidos os primeiros resultados preliminares do estudo “VoW – Value of Waves and Ocean Culture”, um estudo pioneiro a nível mundial, sobre a importância do surf.