Ainda sobre  a questão das zonas balneares e a marcação da chamada época balnear, sua gestão e planeamento, o seu relacionamento com os desportos de ondas, nomeadamente a salvaguarda de ondas e relação com os banhistas, que nos últimos dias se tornou assunto do momento com surfistas a fazerem salvamentos, os Açores assumem a vanguarda no país, com zonas de surf devidamente assinaladas nos planos e com predominância sobre outros usos e época balnear alargada, inclusive em funcionamento todo o ano:

http://www.azores.gov.pt/GaCS/Noticias/2011/Abril/Gest%c3%a3o+das+zonas+balneares+a%c3%a7orianas+est%c3%a1+sujeita+a+novo+regime+jur%c3%addico.htm

O DLR foi aprovado no parlamento regional e agora é só esperar pela sua publicação.

Duas notas MUITO importantes:

A) Dispõe também que os planos de ordenamento aplicáveis à zona costeira definam as áreas reservadas “à prática de desportos de ondas e de windsurf”, sendo que, nessas áreas, a prática daqueles desportos “tem precedência sobre todos os usos, incluindo o uso balnear”.

B) Por sua vez, a duração da época balnear para cada água balnear é definida “em função dos períodos em que se prevê uma grande afluência de banhistas, tendo em conta as condições climatéricas e as características geofísicas de cada zona ou local, e os interesses sociais ou ambientais próprios da localização”.

Conforme estipula o diploma, a época balnear para cada água é fixada por portaria governamental, sendo que, na ausência dessa definição, a época balnear decorrerá entre 1 de Junho e 30 de Setembro de cada ano. Este diploma é uma conquista, também, da comunidade de praticantes de surf e bodyboard e das suas associações regionais.

Assim salvam-se vidas e salvam-se ondas!