O ciclo de conferências “Salvar Ondas e Orlas Costeiras” começou da melhor maneira na Ericeira, onde mais de 100 pessoas receberam entusiasticamente esta iniciativa. Lisboa, Peniche e Figueira da Foz, foram os anfitriões das nossas restantes palestras.
Perante uma audiência atenta e participativa, foram apresentadas palestras unidas pelos conceitos de reserva mundial de surf, desenvolvimento sustentável e participação activa da comunidade.

Para reforçar a importância da protecção das ondas e do desenvolvimento ambiental e sócio-económico de uma região, o Prof. Pedro Bicudo, Presidente do S.O.S., apresentou vários exemplos de ondas “perdidas” em Portugal cujos impactes negativos se repercutiram sobre vários aspectos ecológicos e sócio-económicos para além do surf. Foi dado recentemente o alerta para mais duas ondas “em perigo”: S. Torpes, em Sines e Santa Catarina, nos Açores, pelo que o Presidente do S.O.S. voltou a apelar para a necessidade de integrar, nos estudos de impacte ambiental, o surf como actividade passível de ser afectada por projectos costeiros.

As Reservas Mundiais de Surf foram o tema principal das palestras de João de Macedo, que abordaram, numa retrospectiva histórica, a origem deste conceito, a sua implementação e as potencialidades desta “ferramenta” na protecção não só da cultura do surf mas também do oceano e da orla costeira.

A finalizar as conferências, Mark Massara – que, como advogado, já ganhou processos ambientais de milhões de dólares – consolidou com “chave de ouro” a mensagem “Salvar Ondas e Orlas Costeiras”. Utilizando exemplos de experiências pessoais na defesa do património natural da Califórnia, Mark  procurou mostrar que o sucesso do activismo ambiental reside sobretudo no envolvimento e participação da comunidade surfista e não surfista, que pode fazer a diferença mesmo quando já existem argumentos suficientes do ponto de vista técnico e ambiental. Outro aspecto a reter desta apresentação, refere-se à existência de uma entidade responsável em exclusivo pela gestão da costa: a California Coastal Commission e o respectivo California Coastal Act, fundamentais para analisar e aprovar iniciativas privadas e públicas que visam intervenções na orla costeira. A aposta na educação dos mais novos e o projecto www.californiacoastline.org são outros aspectos a reter de uma palestra que cativou em pleno a audiência.


As conferências S.O.S. contaram com o apoio institucional da Câmara Municipal de Mafra, da Junta de Freguesia da Ericeira, do Instituto Superior Técnico, da Câmara Municipal de Peniche e da Câmara Municipal da Figueira da Foz. Esta iniciativa é patrocinada pela Quicksilver Foundation, Peniche Surf Camp, Surfcastle, Baleal Surf Camp, 58 SurfShop e pela Xcult Surfboards. Somos também apoiados pela Fuel TV como media partner.

SOS SALVEM O SURF, ENTREVISTA EXCLUSIVA – FUEL TV PORTUGAL

É já este sábado às 17 horas que vamos finalizar o ciclo de conferências, com uma quarta e ultima sessão na Figueira da Foz, no dia 19 de Fevereiro. Desta feita, o programa contará também com a contribuição do surfista local Eurico Gonçalves, sobre a perspectiva de integração do surf na dinâmica local da cidade, no Centro de Artes e Espectáculos.

Para reforçar a importância da protecção das ondas e do desenvolvimento ambiental e sócio-económico de uma região, o Prof. Pedro Bicudo, Presidente do S.O.S., apresenta vários exemplos de ondas “perdidas” em Portugal cujos impactes negativos se repercutiram sobre vários aspectos para além da afectação do surf. Foi dado recentemente o alerta para mais duas ondas “em perigo”: S. Torpes e Santa Catarina, pelo que o Presidente do S.O.S. voltou a apelar para a necessidade de integrar, nos estudos de impacte ambiental, o surf como actividade passível de ser afectada por projectos costeiros. A Reserva Mundial de Surf é o tema principal da palestra de João de Macedo que aborda, numa retrospectiva histórica, a origem deste conceito, a sua implementação e as potencialidades desta “ferramenta” na protecção não só da cultura do surf mas também do oceano e da orla costeira. A finalizar a conferência, Mark Massara – que, como advogado, já ganhou processos ambientais de milhões de dólares – consolida com “chave de ouro” a mensagem “Salvar Ondas e Orlas Costeiras”. Utilizando exemplos de experiências pessoais na defesa do património natural da Califórnia, Mark  procura mostrar que o sucesso do activismo ambiental reside sobretudo no envolvimento e participação da comunidade surfista e não surfista, que pode fazer a diferença mesmo quando já existem argumentos suficientes do ponto de vista técnico e ambiental. Outro aspecto a reter desta apresentação, refere-se à existência de uma entidade responsável em exclusivo pela gestão da costa: a California Coastal Commission e o respectivo California Coastal Act, fundamentais para analisar e aprovar iniciativas privadas e públicas que visam intervenções na orla costeira. A aposta na educação dos mais novos e o projecto www.californiacoastline.org são outros aspectos a reter de uma palestra que cativa em pleno a audiência.

O ciclo de conferências “Salvar Ondas e Orlas Costeiras” começou da melhor maneira na Ericeira, onde mais de 100 pessoas receberam entusiasticamente esta iniciativa no passado sábado e, na passada segunda feira dia 14, cerca de 50 estiveram em Lisboa, na nossa segunda palestra, realizada no anfiteatro do complexo interdisciplinar no Instituto Superior Técnico, bem como em Peniche na nossa terceira. Perante uma audiência atenta e participativa, foram apresentadas palestras unidas pelos conceitos de reserva mundial de surf, desenvolvimento sustentável e participação activa da comunidade.